Apologética Católica


 Os erros de tradução de João Ferreira de Almeida

Sobre as imagens

     

               Em 1683, o tradutor da Bíblia protestante em língua Portuguesa, João Ferreira de Almeida, passa a adulterar as Sagradas Escrituras, colocando o termo “Imagens de Escultura” no lugar de "Ídolo".

 Vejamos esta frase nos escritos originais! 

               A palavra   foi escrita em hebraico e se lê "pesel", que se traduz no grego como "êidolon" e em português como "ídolo". Confira então algumas falsificações, em Êxodo 20,4; Isaías 42,8; 42,17; 44,9; 44,10; 44,17 onde nos originais estão as palavras "ídolos".

               Além de enfiar a palavra “imagem de escultura” em sua tradução, João Ferreira de Almeida criminosamente enfia a palavra “procissão” em Isaías 45,20. Assim maldosamente, depois de querer condenar as imagens, usa mais um pretexto para negar as procissões Católicas.

               As informações daquela época não dizem se Almeida sabia hebraico, mas há uma certeza de que nunca teve às mãos os originais da Bíblia, e sim, escritos do século XVI de Erasmo de Roterdan.

               Hoje, os erros na tradução de João Ferreira de Almeida, aumentaram, incluindo os de gramática, com frases inteiras erradas, tanto pela fraseologia quanto pela ortografia e sintaxe. Os atualizadores das edições contemporâneas são, na maioria, estrangeiros, que mal conhecem a língua portuguesa, e escrevem no nosso idioma palavras e frases tiradas do inglês, pois é comum esses revisores e atualizadores serem norte-americanos.

               Para aqueles que não sabem muito sobre a vida de João Ferreira de Almeida, eis um pequeno comentário:

               Almeida deixou o Catolicismo por volta de 1642, para ingressar no protestantismo com o objetivo de trabalhar na Igreja Reformada Holandesa, tornando-se um anticatólico radical.

               Tinha deixado Portugal para viver em Málaca na Malásia, mas em 1651 se transferiu para a Batávia e, em 1656, foi ordenado pastor. Por volta de 1642 começou a traduzir para o português uma parte do Novo Testamento e em 1683 completou a tradução do pentateuco.

               João Ferreira de Almeida nunca foi Padre, mas usava este título para ganhar credibilidade, pois também assim eram chamados os missionários protestantes.

               O protestantismo atual não sabendo destas falsas traduções, aprendeu através de várias gerações a acusar os Católicos de adorar imagens. Muitas vezes conseguiram e ainda conseguem confundir os mais simples.

               Lendo a Bíblia (Êxodo 20,1-5), percebemos que Deus proíbe severamente a fabricação de ídolos (falsos deuses) para serem colocados no lugar do Deus verdadeiro (criador do universo) mas Ele não proíbe a fabricação de imagens.

               Vamos esclarecer melhor:

- O que é Imagem: é a representação de um ser em seu aspecto físico. Assim, imagem é uma fotografia, uma estátua, um quadro, etc.

- O que é Ídolo: é um falso deus, inventado pela fantasia humana (sol, lua, animais, etc.) Os povos vizinhos dos antigos israelitas adoravam vários deuses e fabricavam vários ídolos.

- O que é Adorar: é o ato de considerar Deus como o único criador e senhor do mundo.

- O que é Idolatria: é o ato de adorar o ídolo, o falso deus, ou seja, é considerar o falso deus como criador e senhor do universo.

- O que é Venerar: é imitar, honrar, louvar, homenagear, saudar, etc. Por isso, nós, Católicos, veneramos os Anjos, os Santos e Nossa Senhora.

               Quando as imagens não são para serem colocadas no lugar de Deus, isto é, quando as imagens não são para serem adoradas, então o mesmo Deus as manda fazer, e muitas. Confira em: Êxodo 25,18-20; 26,1-2; 37,7-9; 1Reis 6,23-29; 6,32; 7,36; 8,7; 2Crônicas 3,10-14; 5,8; Ezequiel 41,17-21; Números 21,8-9; 1Crônicas 28,18-19; Números 7,89; 1Samuel 4,4; 2Samuel 6,2; Hebreus 9,5.

               O templo de Deus, construído ricamente pelo rei Salomão, estava cheio de imagens de escultura e Deus se manifestou nesse templo e o encheu da sua glória: Ezequiel 41,17-20 - 43,4-6. Nesse templo havia até imagens gigantes: 1Reis 6,23- 35; 2Crônicas 3,10-14; tinha “a serpente de bronze, querubins de ouro, grinaldas de flores, frutos, árvores, leões”, etc. (cf. Números. 21,9; Êxodo 25,13; Ezequiel 1,5; 10,20 1Reis 6,18,23; 7,36; Números 8,4).

               Os primeiros Cristãos usavam imagens nos lugares de culto, nos cemitérios e nas catacumbas. Perseguidos, para auxiliar sua fé tão posta à prova, pintavam e esculpiam naqueles subterrâneos, figuras representando Cristo e Sua Mãe Santíssima (o que demonstra, de passagem, que também o culto à Mãe de Cristo é tão antigo quanto o próprio Cristianismo). Desde os inícios da arquitetura sacra, as Igrejas foram enriquecidas com imagens, principalmente a título de instrução dos iletrados.

               As imagens contribuem para dar aos lugares de culto um aspecto sagrado, e convidam ao recolhimento e à oração Êxodo 25,22; 1Reis 6,23-28. Por isso, os querubins da Arca da Aliança não eram simples adornos. Lembravam ainda a mediação secundária dos Anjos Hebreus 1,14, e integravam os objetos do culto.

               Conclusão: a Bíblia é bem clara ao mostrar que Deus manda fabricar as imagens, e mais uma vez é fácil notar o grave erro cometido por João Ferreira de Almeida adulterando essas passagens das Sagradas Escrituras.


Artigo escrito por Jaime Francisco de Moura

Crie um site gratuito com o Yola.